Primeiro ano de Porta Amarela

“(…) if you have a story inside of you, I think you should share it.”
James Clear
Hoje, 24 de janeiro de 2016, completamos 1 ano de blog 🙂
Essa ideia tornou-se realidade há exatos 365 dias, quando resolvemos colocar o Porta Amarela no ar. Desde então, publicamos textos, fotos e vídeos de nossa autoria e de nossos amigos-colaboradores que compraram a ideia e nos apoiaram!
Através dessa incrível ferramenta, tivemos a oportunidade de conhecer pessoas sensacionais que direta ou indiretamente contribuíram para o crescimento e amadurecimento do blog (e do nosso também!).
O principal objetivo do Porta sempre foi compartilhar experiências para que mais pessoas sintam-se inspiradas a “sair da caixinha” e buscar novos conhecimentos, que as engrandeçam e que abram seus horizontes.
O blog existe porque acreditamos no poder transformador de uma viagem.
Acreditamos que os obstáculos do percurso são nossos maiores professores e lições aprendidas em viagens são pra vida toda.
Acreditamos que, não importa a distância percorrida ou por quanto tempo estivemos viajando, no fim do dia teremos sempre uma boa história pra contar.
Acreditamos que a própria viagem é tão importante quanto o seu destino e que devemos estar sempre atentos às oportunidades que nos são dadas.
Acreditamos que a melhor foto de uma viagem é aquela que guardamos na memória da alma, não do celular.
Acreditamos que é o seu olhar que torna uma viagem atrativa e agradável e não a quantidade de estrelas do hotel.
Acreditamos que viajar com amigos pode ser tão importante para o nosso autoconhecimento quanto viajar sozinho.
Acreditamos que uma mochila cheia de experiências é o mais rico presente que podemos levar pra casa e que partilha-lo é fundamental.
A todos que nesse primeiro ano nos apoiaram, elogiaram, criticaram, colaboraram, leram, compartilharam – nossos sinceros agradecimentos! Que essa parceria perdure por muito tempo, pois nos enche de alegria criar um conteúdo em que acreditamos.
Esperamos que você, ao ler um dos nossos posts, sinta-se inspirado a abrir novas portas. A nossa porta amarela está sempre aberta. Entre e fique a vontade!
Um grande beijo, Mari e Carol.
aniversario foto
24/01/2015
(agradecimentos especiais aos que colaboraram com textos e histórias em 2015: Aline Vallilo, Talita Guedes, Fernando Alves, Felipe Vazami, Klaudia Alvarez, Basilio Oliveira, Mirtes Miranda, Tais Amaral, Douglas Cardoso, Marcela Pereira, Carol Ventura, Eliana Frezzato, Denis Silva, Gisele Alcântara, Belinha Araújo, Luiz Sebastião)

Um pouquinho da nossa aventura…

O Porta Amarela passou o fim de semana em Paranapiacaba (vila pertencente a cidade de Santo André-SP)!

No Instagram tem um pouquinho da nossa aventura em Paranapiacaba. Em breve, roteiro😉.

Segue a gente @portaamarela5

‪#‎trip‬ ‪#‎paranapiacaba‬ ‪#‎followus‬

“Obrigado e boa viagem” – A vida de comissário por Fernando Alves

Quando vamos ao aeroporto é impossível não encontrar com um ou vários comissários de bordo desfilando seus uniformes e bagagem pelo corredores. Em nossas viagens, eles estão sempre lá, prontos a deixar nossa viagem mais confortável e agradável. Quem nunca se imaginou estar nessa posição, viajando pelo Brasil ou pelo mundo? Pois é, mas a vida de comissário não é tão glamourosa quanto imaginamos. Nosso querido amigo Fernando Alves conta um pouquinho da sua experiência pra gente.

Porta Amarela: Por que você escolheu a carreira?

Fernando Alves: Bom, minha entrada no mundo da aviação aconteceu de uma forma inesperada. Nunca tinha pensado na possibilidade de trabalhar na área. Eu trabalhava como professor de inglês e meu chefe na época tinha voltado a trabalhar como Comissário de Bordo. Ele já tinha trabalhado em outras companhias e resolveu voltar. Foi aí que ele me perguntou se eu não queria fazer o curso e disse que me daria bem na área por ser comunicativo, ter um bom nível de inglês e trabalhar com o público. Aí ele me passou o telefone da escola em que ele tinha feito o curso e fui atrás. A partir daquele momento fiz uma pesquisa ampla sobre aviação e me apaixonei.

PA: Como foi todo o processo para chegar a ser comissário?

FA: O processo não foi nem um pouco fácil. Primeiro temos que fazer um curso teórico que dura aproximadamente 6 meses. No curso estudamos matérias como: meteorologia, conhecimentos gerais da aeronave, primeiros socorros entre outros. Também fazemos aula prática de sobrevivência na selva (a tão famosa rsrs). Depois de passar por todo esse processo ainda temos que prestar uma prova na Anac (Agência de Aviação Civil) para poder receber o certificado de habilitação teórica. Só depois de passar na prova da Anac podemos participar do processo seletivo de alguma companhia aéreas para trabalhar como comissário.

PA: Quais os prós e contras da profissão?

FA: Toda profissão tem seu lado bom e o lado não tão bom. Escolhi uma profissão que aos olhos de muita gente seria a profissão perfeita pelo fato de você viajar o mundo inteiro. Mas na verdade nós trabalhamos e não viajamos (rsrs) As pessoas sempre falam: Nossa você só viaja (rsrs) Na verdade a gente trabalha e muito. Temos rotina, ao contrário do que muita gente pensa. O lado bom é poder estar com várias pessoas de todo lugar do mundo, conhecer a história de cada um de uma forma bacana, a gente ouve muitas histórias, conhece pessoas que raramente veremos de novo. Prestar um bom atendimento às pessoas e zelar pela segurança é fundamental. E também tem o lado bom de poder conhecer cada cantinho do nosso país. O lado não tão bom acho que é estar ausente em algumas datas comemorativas como natal, ano novo, aniversário de familiares e amigos. Mas a gente dá um jeito e faz o natal ou ano novo ser numa segunda feira quando reunimos a família.

PA: Quais são os seus planos para o futuro?

FA: Estou investindo no meu conhecimento e estudando outros idiomas como italiano e francês. Em 2016 quero fazer um curso de enologia (estudo de vinhos). São planos que vão auxiliar na minha carreira profissional.

Nós estamos torcendo pelo seu sucesso, Fê! Beijos do Porta Amarela!

Por que viajar é preciso?

Todo mundo gosta de viajar. Eu não conheço ninguém que, tendo a oportunidade de fazê-lo, prefira ficar em casa. Também não conheço alguém que tendo viajado uma vez, não queira repeti-la.
Viajar é descobrir. Lugares, pessoas, costumes, culturas, diferenças, peculiaridades, clima, comida. Viajar é deslumbrar-se.
Viajar vai além de passar férias ou descansar, longe disso.Viajar, como qualquer descoberta, requer esforço.
A viagem começa muito antes do ato em si, ela começa nos seus sonhos. Naqueles sonhos que se sonha acordado, na frente da tela do computador, lendo um livro, vendo um álbum de fotos, assistindo um filme.
Aos atrapalhados, a viagem ensina disciplina, porque guardar dinheiro e pagar contas ao mesmo tempo requer muita força de vontade e foco.
Aos inseguros, a viagem ensina o jogo de cintura. Você não acredita do que é capaz até enfrentar as adversidades de uma viagem.
Viajar é renascimento. Pode parecer exagero, mas não é possível voltar da mesma maneira após uma experiência fora da sua zona de conforto. Viajar é aprendizado.
Mais do que fazer as malas, pegar um avião, um carro, um ônibus, um trem. Mais do que tirar fotos e conhecer pontos turísticos. Viajar vai além de percorrer distâncias, chegar ao destino.
Viajar é descobrir-se.
Mariana Ortiz